A força das notícias no Facebook

Monitoring

687 visualizações

A força das notícias no Facebook

Quais as notícias que mais mobilizaram os brasileiros no Facebook em 2017

A E.life, através do Buzzmonitor Social News, monitora em tempo real 749 páginas de noticiosos no Facebook. Utilizamos esta ferramenta para perceber quais as notícias que mais mobilizaram os brasileiros em 2017

 

Breno Soutto, Coordenador de Inteligência na E.life

 

7,3 mil notícias são publicadas todos os dias no Brasil

Segundo o Estudo Hábitos e Comportamento do internauta Brasileiro, realizado em 2016 pela E.life, o feed de notícias se tornou a principal fonte de informações entre os brasileiros online em redes sociais. E o Facebook, com seus 150 milhões de brasileiros ativos mensalmente, disputa com a TV, o lugar de principal fonte de informação no país.

Há um movimento duplo nesta situação: por um lado, temos mais gente lendo e interagindo com o noticiário. Likes, reactions e comentários tornaram o consumo de notícias mais participativo, dinâmico e a disseminação de notícias revela até mesmo a personalidade e ideologias do leitor. Por outro, existe um reposicionamento do que são notícias. Em busca do famoso engajamento dos leitores, veículos tradicionais recorrem também a pautas de variedades, deixando para trás o modelo de jornalismo com que trabalhavam.

Para analisar o perfil dos noticiosos e dos leitores do Brasil, a E.life analisou as publicações realizadas por 749 noticiosos brasileiros no Facebook, entre os dias 01/01/2017 e 24/09/2017. Foram publicadas no período 1.967.552 notícias, uma média de 7.369 publicações por dia e de 2.627 notícias por página.  As notícias são mais publicadas em dias de semana, com fins de semana apresentando menor volume de publicações.

Separamos estes veículos com base em sua reputação entre seus leitores, excluindo aqueles que se dedicam a divulgação de fake news, sobre as quais falaremos em um estudo um pouco mais a diante.

 

Menções por dia:

 

Temas das menções em 02/08:

 

Política, Lava Jato e Futebol foram mais publicados

Política esteve no centro do noticiário no período - com presidente, Temer e polícia federal entre os termos mais citados. Futebol e TV também estiveram presentes nas pautas destaque, com clube, jogo, futebol e programação. O pico ocorreu no dia 2 de agosto, com a votação da denúncia contra Temer na Câmara dos Deputados.

 

Temas das menções entre 01/01 e 24/09/2017:

 

Veículos dedicados a esportes publicam com mais frequência

Embora a principal pauta tenha sido política, os veículos com maior frequência de publicação se dedicam à cobertura esportiva:

Veículos com maior número de publicações:

 

Notícias geraram 48 bilhões de reações, 89% likes

Dentro deste conteúdo, houve 48 bilhões de reações com os botões do Facebook, excetuando-se as reações de orgulho e de gratidão por serem pontuais e comemorativas, respectivamente, da semana do orgulho LGBT e do dia das mães. A média foi de 24.896 reações por notícia.

O LIKE é de longe a reação mais usada: 89% de todas as reações. As reações positivas tendem a ganhar mais engajamento do que as negativas.

 

Reações às notícias (%)

 

A publicação mais triste: morte do apresentador Marcelo Rezende - 144 mil reações “Triste”

 

A notícia da morte do apresentador de TV Marcelo Rezende, publicada pela página Fatos Desconhecidos, foi a mais triste das coletadas, com 144.035 reações de “triste”.  A matéria, de 16/09, traz uma informação interessante: embora seja a com mais reações de tristeza, a pauta angariou 135.894 curtidas, demonstrando que a reação muitas vezes serve como marcador de presença em conteúdos independentemente de seu aspecto positivo.

 

 

A publicação mais revoltante: morte de criança de 2 anos - 48.346 reações “Grr”

 

A notícia que gerou mais reações grr - usadas para traduzir o sentimento de raiva - fazia referência à morte de uma criança de 2 anos que havia sido estuprada pelo padrasto. A matéria foi publicada pelo G1 em 16/06.

 

 

A publicação mais engraçada: pegadinha do Câmera Escondida do Sílvio Santos - 119 mil reações “Haha”

 

Uma chamada do SBT, publicada em 25/07, sobre sua programação em que foi veiculada uma pegadinha em que um ator que sobe a escada rolante flerta com mulheres acompanhadas que descem pelo outro lado foi a que mais gerou reações “haha” - usadas para situações engraçadas. Foram 119.223 apertadas no botão com o sorriso.

 

 

A publicação mais UAU: chapinha clareadora de cabelos - 34 mil reações “Uau”

 

Uma matéria da Vix Mulher sobre uma técnica de chapinha clareadora dos cabelos foi o momento que mais gerou reações “uau” - para quando os internautas ficam impressionados. A publicação de 01/05 obteve 34.482 cliques no botão.

 

 

A publicação mais amada: Robert cuida do filho - 158 mil reações “Amei”

 

Um vídeo da página Quebrando o Tabu, de 07/06 em que Robert - um pai norte americano - acompanha o dia a dia de seu filho Chace, que tem uma situação congênita que demanda alimentação por um tubo em sua barriga foi a que mais gerou reações “amei”, com 158.097 clicadas no botão.

 

 

O que isso nos ensina?

O consumo de notícias no Facebook está consolidado, com grande volume de publicações e de canais ativos;

As fake news, que têm sido usadas como estratégia de marketing por alguns setores como o político não são material para os grandes jornais online estudados;

A pauta de variedades ganhou força. Quando observamos os 5 conteúdos com mais reações, 3  não se referem a notícias em si, mas em conteúdos de variedade. Os veículos buscam o engajamento em paralelo ao jornalismo;

Empresas muitas vezes são expostas em notícias, as quais devem ser monitoradas e ter seu impacto mensurado por produtos como o E.Life Social News, onde uma varredura ampla e constante ajuda a conhecer sobre a saúde da marca na mídia. Na versão paga deste estudo várias empresas são citadas;

Like nem sempre é uma reação positiva: notícias com temas tristes recebem likes para que o internauta marque presença naquela pauta;

As pessoas estão prontas para interagir, se emocionar ou demonstrar sua reprovação pelo que leem.

 

USE GRÁTIS O BUZZMONITOR

Comentários

Deixe um comentário